Este blog não possui nenhuma afiliação social, empregatícia, financeira ou política a não ser comigo mesmo. As opiniões expressas aqui refletem meu ponto de vista sobre assuntos aleatórios e nada mais. Comentários são mais do que bem vindos, são encorajados, positivos ou não. Até prefiro comentários oposicionistas, afinal um mundo que pensa igual é desprovido de inovação. Portanto, sinta-se em casa. Espero que ler minhas verborréias esporádicas traga-lhe o mesmo prazer que tenho produzindo-as.

[ваκκєr]

P.S. Algumas vezes algo que eu quero expressar não pode ser dito (apenas) com palavras, então vai parar em meu fotolog ao invés de aqui. Confira-o de vez em quando.

terça-feira, 7 de novembro de 2006

Inauguração

Este é um daqueles infames posts inaugurais.

Qualé, vocês querem que eu repita tudo que um infame post inaugural costuma dizer ?
Ok, ok.

Pra quem costumava ler o Crônicas na sua primeira encarnação (que na verdade era uma segunda, afinal o Crônicas nasceu como o blog do Mr. Spock lá por janeiro de 2002) este blog vai ao mesmo tempo parecer familiar e estranho. O autor continua sendo o mesmo, mas muita coisa mudou, e quando eu digo muita, quero dizer muita mesmo.
Nesses 5 anos eu namorei por quatro anos a Phe, e apesar dela não ser nem um pouco culpada pelo fim do Crônicas, o fim do nosso namoro, indiretamente, é. Nesse meio tempo eu tive um cybercafé, deixei de ter, passei no vestibular pela terceira vez, estudei na Poli, perdi o tesão mais uma vez pela faculdade, trabalhei como balconista na rua Santa Ifigênia (acreditem, foi um período de muito aprendizado) e como programador num estúdio de desenvolvimento de jogos. Fui diagnosticado com transtorno de déficit de atenção, passei um período medicado e já estou cold-turkey faz um ano.
Quando e como o Crônicas acabou é algo difícil de especificar. No final de abril de 2005, depois de quatro anos, dois meses e alguns dias juntos, eu e a Phe decidimos, de comum acordo, sem briga nem discussão, que nosso relacionamento não ia adiante. Não houve culpados ou vítimas, só duas pessoas que se gostavam muito decidindo que o mais sensato era não dar mais corda para se enforcar. Nos meses que se seguiram eu fiquei bastante desnorteado, pois naqueles quatro anos eu havia desaprendido a viver sem ela. E, apesar de ter, durante 3 anos, escrito sobre tudo que se passava na minha cabeça com frequência quase diária, não me sentia a vontade para desabafar sobre esse vazio no Crônicas. Apesar da dose diária de Ritalina e dos antidepressivos, nada me tornava capaz de escrever sobre o que acontecia dentro de mim. E então o Crônicas definhou. Vez ou outra eu colocava uma letra de alguma música que significava algo pra mim, mas nada pra ninguém mais. Até tentei escrever uma obrinha de semi-ficção por lá, mas sem sucesso. Até que então, numa madrugada de quinta-feira de outubro de 2005, eu fiz meu último post. Não era simbólico de nada, pois eu não imaginava, naquele momento, que ele seria o último. Mas foi.
Alguns dias depois daquilo comecei a trabalhar. Eu usava a desculpa de que o trabalho não me deixava mais tempo de escrever, mas a verdade era que eu não conseguia dissociar o Crônicas da depressão. E eu precisava me curar. De ambos. Então eu deixei o Crônicas morrer. E com isso, eu renasci.
Tá bom, foi piegas. Mas a verdade é que com o fim do Crônicas começou a catarse. Nos meses que se seguiram eu parei de tomar minha medicação e descobri que, apesar da Ritalina tornar o TDAH muito mais manejável, tocar a vida sem Ritalina, apesar de complicado, é muito satisfatório. Arrumei, junto com um amigo, uma chance de ouro, de criar algo totalmente novo, do zero. Começamos um estúdio de desenvolvimento de jogos e começamos a tocar um projeto, primeiro em três, depois em cinco. Com o dinheiro desse emprego novo tive a chance de visitar mais uma vez os Estados Unidos, principalmente a costa leste, que eu não via a mais de 10 anos. E isso nos leva ao momento atual.
No momento, por motivos que não acho válido explicitar aqui (talvez depois de uma nova catarse ?) estou me desligando oficialmente do estúdio. E, como parte desse processo de me re-inventar, mais uma vez, decidí re-criar o Crônicas.

Pensando bem, não foi um post inaugural nem um pouco típico.

2 comentários:

PEQUENO disse...

apesar de eu estar ausente da primeira vez.. espero que possa estar presente agora.. para o que der e vier.. pois desde o começo sempre estive porem.. nao muito presente.. mas.. com o coraçao dizendo.. estou akiiii.. e feliz ano novo pra todos.. !! sei la pq isso veio na cabeça agora...

the_everlasting disse...

Bakker a vida é isso mesmo.. mudanças quase nem sempre agradáveis..
Eu também estou mudando para algo que nem eu estou gostando, mas acho que temos as vezes que nos expressar, já tive um blog antes, e acabei quase pelos mesmos motivos, e agora voltei a escrever, mas pouco..
Mesmo assim todos nós sempre teremos algo para dizer!
Vou ler agora esse! E obrigado novamente pela sua ajuda no momento que precisei!